segunda-feira, 26 de agosto de 2019

CONSERTO DE PRANCHAS DE SURF


  • Consertos em poliéster e Epóxi (Pranchas, Funboard e longboard)

  • Consertamos qualquer parte (bico, borda, rabeta e quilhas)

  • Plugs de leash e quilha (X2, Fusion, FCS II, Future e Caixa)

  • Pranchas quebradas ao meio

  • Instalação de plugs para GoPro

  • Reformas em geral e tinturas
Na Av. Brino, 82, Porto Alegre, Rio Grande do Sul
Fone: (51) 98411-2753

segunda-feira, 29 de julho de 2019

POINT OU PICO?


EM INGLÊS
Back Door – extremidade da onda que quebra da direita para a esquerda, olhando da praia.
Back Side – posicionamento do surfista de costas para a onda.
Beach Break – pico com fundo de areia.
Big Rider – Surfista que pega ondas grandes.
Bottom – parte do fundo da prancha.
Bottom Turn – manobra que o surfista faz uma curva na base da onda em direção à crista da onda.
Crowd – muita gente querendo surfar na mesma área.
Cut Back – manobra em que o surfista faz um “esse” voltando em direção contraria da onda e depois retornando na direção normal.
Deck – parte de cima da prancha.
Drop – descer a onda até a base.
Evolution – prancha com mais espessura e largura e com o bico arredondado.
Expression Session – competição onde todos os surfistas entram na água juntos na busca da melhor manobra.
Flat – mar sem ondas.
Floater – manobra em que o surfista desliza sobre a crista da onda.
Free Surfer – é quem não entra em campeonatos, surfista por prazer.
Front Side – posicionamento do surfista de frente pra onda.
Grommett – surfista que tem entre 10 e 12 anos.
Goofy – surfista que posiciona o pé direito na frente.
Gun – prancha para ondas grandes.
Inside – parte do mar onde fica a primeira arrebentação.
Leash – cordinha utilizada para prender o surfista à prancha.
Lip – crista da onda.
Line Up – linha imaginaria onde o surfista se posiciona para pegar a onda.
Long John – roupa de borracha para o corpo inteiro.
Outline – contorno da prancha de surf.
Outside – parte do mar após a arrebentação.
Strap – o mesmo que leash.
Trip – viagem de surf.
WT – World Tour – 1° divisão do circuito mundial de surf.
Wipe Out – quando o surfista leva um tombo.
WQS – World Qualifying Series – 2° divisão do circuito mundial de surf.
Point – praia com ondas boas para surfar.
Point Break – mar com fundo de pedra.
Quiver – quantidade de pranchas de cada surfista.
Reef break – mar com fundo de coral.
Rip – bem preparado para surfar.

EM PORTUGUÊS
Batida – manobra em que o surfista bate na crista da onda.
Boia – prancha.
Bolha – região da prancha onde a laminação descolou do bloco.
Caldo – quando o surfista cai da onda.
Cavada – manobra em que o surfista faz uma curva na base da onda em direção à crista da onda.
Copinho – acessório fixado próximo a rabeta da prancha para se prender o leash.
Fundo – tarde de baixo da prancha.
Larica – estar com fome.
Leque – desenho formado pela água espirrada pela forte manobra.
Localismo – surfistas que não gostam de outros surfista que não são da área.
Mar gordo – mar com ondas cheias.
Maral – vento que sopra do mar para a terra.
Marola – ondas pequenas.
Maroleiro – surfista que gosta de ondas pequenas.
Merreca – onda pequena.
Merrequeiro – surfista que só gosta de ondas pequenas.
Morra – onda grande.
Pico – praia com ondas boas para surfar.
Pororoca – ondas que vem da terra pro mar ou ondas de rio.
Pro – surfista profissional que recebe salário para surfar.
Quebra coco – onda oca que quebra próxima a praia.
Rabear – é quando um surfista entra na onda que já tem outro surfista.
Regular – quem posiciona o pé esquerdo à frente para surfar.
Série – sequencia de ondas.
Terral – vento da terra pro mar, geralmente o melhor vento para o surf.
Toco – prancha velha, já amarelada e pesada.
Tubo – manobra em que o surfista fica dentro da onda.
Vaca – quando o surfista cai.
Fonte: Revista Vaibe n° 2 e Wave Tools Surf Consertos e Fotos.



Informativo nº 255

Wave tools surf consertos (51) 98411-2753

terça-feira, 9 de julho de 2019

CAPAS TOALHAS PARA PRANCHA DE SURF

Capa Atoalhada para Prancha de Surf


Vários Tamanhos : 6'0 - 6'3 - 6'5 - 6'8 - Funboard e Longboard


Reforço no bico com espuma para maior proteção da prancha.



Material leve e resistente


Pronta entrega



Envio imediato



Av. Brino, 82
Porto Alegre
Rio Grande do Sul
(51) 98411-2753

segunda-feira, 4 de fevereiro de 2019

PRANCHAS USADAS EM PORTO ALEGRE É AQUI NA WAVE TOOLS

Se você esta a procura de pranchas usadas aqui em Porto Alegre, não precisa mais procurar.
Aqui na WAVE TOOLS temos o maior QUIVER de pranchas usadas da cidade.
Com mais de 70 pranchas. 



Também temos uma boa variedade de pranchas novas ou sob encomenda com o melhor preço do mercado e em até 10x sem juros 


WAVE TOOLS
AV. BRINO, 82
(51) 98411-2753
 

segunda-feira, 19 de novembro de 2018

NORTH SHORE PLANETA SURF


Se você acha que nunca vai poder surfar no North Shore de Oahu porque não é um profissional (nem kamikaze), este raio-X com 28 das mais frequentadas ondas do trecho mais famoso do mundo do surf, de Turtle Bay a Haleiwa, vai mudar sua opinião. Acredite, é possível conhecer a Meca do esporte dos reis havaianos e pegar altas ondas em família sem maiores riscos, e quem sabe esbarrar em lendas como Kelly Slater e Tom Curren na areia ou no mercado Foodland, onde todo mundo se encontra, e para ajudar ainda mais, classificamos os picos em três categorias: para todos, médio e experts. Escolha o seu e vá para água.

A mística que envolve o North Shore da ilha de Oahu, no Hawaii, é universal. O “seven mile miracle”, como é conhecido este pequeno trecho de costa de cerca de 10 quilômetros de extensão, abriga algumas das ondas mais desafiadoras do planeta, que exigem um altíssimo grau de habilidade e coragem, nos dias mais sinistros. Picos como Pipeline, Waimea, Sunset, entre muitos outros, viram maquinas de moer ossos e pranchas quando grandes ondulações vindas do quadrante norte atingem o arquipélago, isolado no meio do Pacifico, durante os meses de inverno. A combinação da força absurda das ondas com o impacto nas bancadas de pedra, coral e lava vulcânica é assustadora e pode ser até fatal. Mesmo nos dias menores, esses picos não são aconselháveis para qualquer um. Mas pouco se fala sobre as outras praias do North Shore de praias amigáveis e convidativas em bancadas de areia, que não oferecem tanto risco e podem ser a diversão perfeita para o surf em família. E não se surpreenda se der a sorte de um dia clássico com pouca gente na água. O melhor de tudo é que os picos todos funcionam praticamente com qualquer direção de swell, de oeste, norte e leste e todas as variações. Independente do seu nível de surf é só checar a previsão, descobrir a direção do vento, escolher o tipo de bancada e passar a parafina.

1 – TURTLE BAY (para todos)
Em frente ao hotel e condomínio mais famoso do North Shore, o Turtle Bay Resort, existe duas ondas perfeitas para aliviar o stress do crowd nos surfistas profissionais ou fazer a alegria dos turistas hospedados nas imediações. A direita bem em frente do hotel proporciona um surf “hotdog” nos dias menores. Já a esquerda do outro lado do hotel é uma onda para surfistas mais experientes, pois é rápida e a bancada é mais rasa.
Fundo: pedra e areia
Swell: NO/N
Vento: S/SO/SE
Tamanho: 0,5 a 1,5 metros

2 – VELZYLAND ou V-LAND (para todos/médio)
Sabe aquela ondinha que você desenhava no caderno da escola? Assim é Velzyland em seus dias clássicos. Tubos e manobras em um line-up pequeno e de fácil acesso. Mas não se empolgue tanto, o crowd geralmente é grande e nos dias bons sobram poucas ondas para os forasteiros. Mas, se você acordar cedo ou não for no auge da temporada, pode realizar o sonho que tirou sua atenção nas aulas.
Fundo: pedra e coral
Swell: O/NO/N
Vento: S/SO/SE
Tamanho: 0,5 a 2 metros

3 – FREDDYLAND (para todos)
Ao lado de V-land fica Freddy’s, pico dominado por todos os tipos de iniciantes no surf, mulheres, crianças e marmanjos arriscando as primeiras deslizadas. A onda abre pros dois lados, a direita mais curta e a esquerda proporciona varias manobras.
A mulherada local gosta de cair ali e ficar “tricotando” no outside.
Fundo: pedra e coral
Swell: O/NO/N
Vento: S/SO/SE
Tamanho: 0,5 a 1 metro

4 – PHANTOMS (experts)
É a bancada mais fora da costa e consequentemente a mais funda do North Shore. A esquerda é uma das joias do surf de ondas gigantes, possui três seções e altos tubos já foram pegos la de tow-in. Na remada é sempre um desafio, pois as ondas não entram sempre no mesmo lugar e fatalmente te pegam de surpresa em alguma serie. A esquerda fecha acima de 7 metros, enquanto a direita segura até 10 metros.
Fundo: coral
Swell: O/NO
Vento: L-NE/L/S/SE
Tamanho: 4 a 10 metros

5 – BACKYARDS (médio/experts)
O pico que leva o nome de “quintal” é um dos poucos lugares que você pode pegar altas ondas sem crowd. Tanto a esquerda como a direita proporcionam boas ondas de todos os tamanhos. A direita é mais longa, mas cuidado com o famoso “boneyards”. O final da onda é no encontro com a esquerda de Sunset e a bancada de coral fica exposta, especialmente nos maiores dias, e pode ser um pesadelo. Foi ali que rolaram as primeiras seções da historia do Tow-in, onde Laird Hamilton, Darrick Doener e Buzzy Kerbox rebocaram uns aos outros de Zodiac em um dia de 7 metros para a direita.
Fundo: coral e lava vulcânica
Swell: N/NO
Vento: L-NE/L/S/SE
Tamanho: 0,5 a 10 metros

6 – SUNSET (experts)
Uma das primeiras ondas surfadas no North Shore, nos anos 60, Sunset é o pico mais constante da região e sempre oferece uma condição. Mesmo nos dias pequenos. Sunset Point faz a alegria da molecada e dos coroas, que dominam o line-up nos dias clássicos com mais de 2 metros. Se você esta fazendo suas primeiras caídas no Hawaii, escolha sempre uma prancha um pouco maior do que de costume. As figurinhas carimbadas só usam guns acima de 8 pés. O amplo canal facilita a entrada e saída do mar. Boas condições com swell tanto de norte como de oeste, mas a onda mais famosa vem de oeste, proporcionando um drop vertical no outside e com grandes chances de um tubão no inside nos melhores dias.
Fundo: coral e lava vulcânica
Swell: O/NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 5 metros

7 – KAMIELAND (para todos)
Ambiente familiar e ondas “hotdog”. Enquanto os maridos e filhos mais velhos surfam Pipeline e Rocky Point, é constante o crowd de mulheres com seus filhos mais novos surfando em Kamieland. A direita é muito longa e de dentro da água é sempre melhor do que parece de fora. Permite alta performace tanto para um longboard como para uma pranchinha. A esquerda não é a principal onda, mas também é boa.
Fundo: areia e coral
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 2 metros

8 – MONSTER MUSH (para todos)
Antes de Rocky Point ainda tem esta onda com menos pressão, mas, nos dias em que o crowd fica insuportável em Rocky’s, é uma boa opção para o surf relax, em direitas e esquerdas.
Fundo: areia e coral
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 2 metros

9 – ROCKY POINT (para todos/médio)
Principal pista de treinos para manobras ultramodernas e testes com os mais novos modelos de pranchas. Inovação é a ordem nos dias de praia lotada de fotógrafos, com um show de aéreos, rabetadas e tubos de alta qualidade. Também conhecida como “Rock de Janeiro”, pois é muito frequentada por brasileiros, tanto nas areias como no outside. À esquerda, que leva para o canal, e a direita são famosas no mundo inteiro.
Fundo: areia, pedra e coral
Swell: NO/O
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 2 metros

10 – GAS CHAMBERS (experts)
Um pico chamado de “câmera de gás” pode não parecer muito amigável. Normalmente, quando Rocky Point esta quebrando, Gas Chambers também tem ótimas condições e com menos crowd. Parece Rock’s mas não é.
Fundo: areia, pedra e coral
Swell: NO/O
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 2 metros

11 – PUPUKEA (para todos/médio)
Um dos poucos fundos de areia da área. A direita é mais rápida e proporciona altas manobras e tubos. O crowd normalmente é mais amistoso.
Fundo: areia
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 2,5 metros


12 – EHUKAI (para todos)
Em frente à torre de salva vidas de Pipeline, rola este fundo de areia bastante frequentado pela molecada e até por surfistas profissionais quando as condições não estão muito boas nos outros picos.
Fundo: areia
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 1,5 metros

13 – PIPELINE (experts)
A rainha do North Shore é incomparável. Você pode viajar para os melhores lugares de surf do mundo e sempre escutara: “Parece Pipeline”. Mas o tubo mais famoso do mundo esta na costa norte de Oahu. Ali, sonhos são realizados e pesadelos concretizados. Maior espetáculo a céu aberto do mundo. Os tubos quebram pesados e perfeitos a cerca de 30 metros da praia, enquanto os melhores surfistas do mundo entubam observados de perto por binóculos e por cliques frenéticos das maquinas fotográficas. Inesquecível.
Fundo: coral
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 5 metros

14 – BACKDOOR (experts)
A direita de Pipeline é um dos tubos mais radicais do mundo para serem surfados na remada. Ali não existe canal e, se passar dos 3 metros, pode ser o sonho ou o pesadelo dos surfistas que arriscam sua pele no pico. É onde se separam os homens dos meninos.
Fundo: pedra e coral
Swell: NO
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 3 metros

15 – OFF THE WALL ou OTW (experts)
OTW pode ser considerada a Irma menos “temperamental” de Backdoor. As condições são bem parecidas, mas, como a esquerda não é Pipeline, o crowd também fica um pouco mais amistoso. Os havaianos ficam mais em Backdoor, assim muitos brasileiros surfam as ondas de suas vidas em OTW.
Fundo: areia, pedra e coral
Swell: NO
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 3 metros

16 – ROCKPILES (médio/experts)
No primeiro dia do Pipeline Masters de 2010, Rockpiles foi o destaque. Por causa do swell de 3 metros predominante de norte, somente o “rabo” da ondulação pegava em Backdoor e Pipeline. Mas, a poucos metros do evento, ondas massivas ofereciam um drop pesado, longas rasgadas e belos tubos. Não é muito constante, mas tem seus dias de gloria.
Fundo: pedra e areia
Swell: NO/N
Vento: S/SE
Tamanho: 0,5 a 4 metros


17 – LOG CABINS (experts)
É uma das direitas mais assassinas do pedaço. Lembra OTW, mas a bancada super-rasa amedronta mais. Você pode pegar o tubo de sua vida ou abrir o maior buraco em sua cabeça. O outer reef do pico entrou para a historia em 1998, no swell conhecido como Big Wednesday, quando Ken Bradshaw surfou uma onda avaliada em 25 metros, cravando um recorde de tamanho surfado no North Shore.
Fundo: pedra e coral
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 0,5 a 2,5 metros e 5 a 15 metros no outer reef

18 – WAIMEA (experts)
Palco do tradicional evento de ondas grandes em memória do Eddie Aikau, Waimea é o pico mais frequentado na remada quando as ondas estão grandes. Durante décadas foi o lugar a ser visitado por surfistas de ondas grandes do mundo inteiro. Perdeu parte da atenção para lugares como Mavericks, Jaws e Cortes Bank, nos anos 90, mas nunca perdeu sua majestade. Muitos costumam fazer uma oração na igreja em frente ao pico antes de cair nos dias grandes. Nos swells menores, funciona à direita mais no inside, chamada de Pimballs.
Fundo: areia e pedra
Swell: O/NO/N
Vento: L/L-NE/S/SE
Tamanho: 2 a 8 metros

19 – HIMALAYAS (experts)
A esquerda é muito boa nos dias até 2,5 metros, mas quando o mar sobe proporciona uma onda pesada e indicada para big riders. O drop é volumoso e a onda é longa. Na temporada passada, enquanto alguns surfavam Waimea com 7 metros, ondas de 8 ou mais foram surfadas em Himalayas.
Fundo: pedra e coral
Swell: O/NO
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 10 metros

20 – MARIJUANAS (experts)
Nos dias menores é uma onda divertida, mas nos dias grandes o bicho pega. Direita longa e pesada e esquerda mais curta. Com ondulação mais de norte é um dos objetos de desejo dos big riders de plantão.
Fundo: pedra e coral
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 2 metros e 3 a 7 metros no outside

21 – ALLIGATOR ROCK (experts)
Esta direita é localizada entre a onda de Leftovers e Marijuanas, com bons tubos nos melhores dias. Quando as ondas estão grandes o outside também é uma boa opção. Foi ali que o big rider Todd Chesser perdeu a vida, em fevereiro de 1997, ao tomar uma serie na cabeça.
Fundo: pedra e coral
Swell: NO/N
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 8 metros

22 – LEFT OVERS (para todos)
Como o nome já diz, a “sobra” é uma esquerda bacana porque é menos crowd do que o resto das ondas do North Shore. É bem manobrável e tem seus dias de gala. Ao lado existe a onda Right Overs, bastante frequentada por longboarders.
Fundo: pedra e coral
Swell: O/NO
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 2,5 metros

23 – CHUNS REEF (para todos)
Esta direita frequentada por longboards, SUPs, mulheres e todo tipo de prancha fica ao lado de Jockos. Nos finais de semana o crowd é imensurável, mas amigável, afinal é normal você ter três ou quatro vindo na mesma onda. Mas, nos dias de semana, é possível curtir altas ondas sem muita gente.
Fundo: pedra e coral
Swell: O/NO
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 2 metros


24 – JOCKOS (médio)
Esquerda longa que proporciona espaço para varias manobras e alguns tubos excelentes nos melhores dias. Mas, se não estiver em forma, é melhor escolher outro pico, pois a correnteza é forte e exige fôlego na remada. Quebra com a mesma ondulação de Pipeline e é normal no final de um dia clássico você ouvir a frase: “Peguei um tubo em Lockos igual à Pipeline”.
Fundo: pedra e coral
Swell: O/NO
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 2,5 metros

25 – LANIAKEA (médio)
Uma das poucas ondas que podem ser vistas da estrada. Quando tem swell, o visual das linhas entrando chama para uma sessão divertida. Provavelmente a onda mais longa da região, com seções de tubos e fácil de surfar. Um dia bom pode valer a passagem. Sempre tem crowd, mas o outside é amplo. Detalhe: o americano Kelly Slater tem uma casa nas redondezas.
Fundo: coral e pedra
Swell: O/NO
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 4 metros


26 – PUAENA POINT (experts)
Com três picos definidos, essa direita alegra a todos os tipos de surfista. Quando esta pequeno, a primeira seção tem um ambiente familiar nas valinhas que rolam tanto para esquerda como para direita. Entre 1 e 2,5 metros, a onda é longa com seções rápidas e rolam uns tubos. Quando esta grande, segura até 7 metros muitas vezes conectando com o inside, mas uma pedra que brota no caminho pede atenção e cuidado. Boa opção para o dia a dia.
Fundo: coral e pedra
Swell: O/NO
Vento: L/L-NE
Tamanho: 0,5 a 7 metros

27 – HALEIWA (para todos/médio)
Haleiwa também tem um ambiente familiar. Nos fim de semana, o parque em frente às ondas fica cheio de pais e filhos em busca de um dia de surf e diversão. Com até 1 metro é muito divertido. Os dias com 2 metros são os melhores, com cerca de três seções de manobras e até tubos. Mas quando o mar sobe é uma das correntezas mais ingrata da região. Se você entrar em Haleiwa em um mar acima de 1,5 metros e não tomar uma serie na cabeça, pode se considerar um sortudo. Nos dias grandes é 8 ou 80, ou você pega uma bela onda ou acaba tomando na cabeça.
Fundo: areia e pedra
Swell: O/NO
Vento: L-NE
Tamanho: 0,5 a 3 metros.

28 – AVALANCHES (experts)
Esquerda muito longa e pesada. Conhecida como um dos piores caldos do North Shore. Muito frequentada pelos surfistas de tow-in.
Fundo: pedra e coral
Swell: O/NO
Vento: L-NE
Tamanho: 4 a 8 metros.
Fonte: Revista Fluir n° 303 (www.fluir.com.br)




Informativo nº 250

Wave Tools surf consertos (51) 98411-2753